OS BOÊMIOS, de Anne Gédéon Lafitte

Inspirado no Dom Quixote de Cervantes e equiparado a Os 120 dias de Sodoma, do marquês de Sade, ao lado dos quais deveria figurar na estante dos clássicos, Os boêmios é mais que um folhetim erótico: trata-se de uma análise demolidora do clero na França do século XVIII.

OsBoemios

O livro conta a história de um bando de “filósofos” que percorrem a região de Champagne sem um destino definido, alimentando-se de galinhas roubadas dos camponeses. Publicado em 1790, esse romance inusitado continuaria relegado ao esquecimento não tivesse Robert Darnton – que assina a introdução e as notas da edição – encontrado em Paris um dos seis exemplares que restaram da destruição promovida por seu próprio editor.

Anne Gédéon Lafitte, o Marquês de Pelleport (1754-1807), era um libelista – um autor de relatos escandalosos sobre a vida privada da Corte francesa. Preso sem julgamento na Bastilha, compartilhava obsessões e traços estilísticos com o célebre marquês de Sade.


Título original: LES BOHÉMIENS
Tradução: George Schlesinger e Rosa Freire d’Aguiar
Capa: Victor Burton
Páginas: 320
Formato: 14.00 x 21.00 cm
Peso: 0.39100 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 27/05/2015
ISBN: 9788535925937
Selo: Companhia das Letras

Leia um trecho em PFD.

Fonte: Companhia das Letras