Incursão pela Europa por Duda Oliveira, escultora

DUDA OLIVEIRA

Minha incursão pela Europa buscava algo mais do que a  história da humanidade e da arte. Eu estava a procura das marcas do tempo e  das representações  humanas à luz das astúcias, coragens e virtudes, garimpando com os olhos, assim como afirmativa de José Saramago no livro Ensaio Sobre a Cegueira, “ Se Podes olhar, vê; se podes ver, repara”; 

Percebi que os palácios,  lugares de aparente virtù de oráculos,  possuíam a função de teatralização, com suas paredes e cortinas revestidas de arremedos florais, com  nobres e palacianos  personificados em divindades mitológicas, vestidos de honrarias e bravura, para ocultar suas apatias,  impotências e fragilidades;

A arte, a religião e a filosofia também se utilizaram destes recursos para deixarem suas marcas no tempo,  exploraram o universo onírico e mitológico, repletos de simbolismos, para incutir conceitos que vinculassem a dinâmica dominante e dominado, no entanto, foi a  arquitetura e a política, que conseguiram efetivamente, transformar o tempo e suas representações.  Através destas, convencionou-se a estilística institucional das igrejas católicas em estilo gótico, predominante da Era da Fé; Teatros e Casas de Ópera, no estilo barroco; Palácios e Ministérios, em edificações suntuosas, inspiradas na Renascença;

  O tempo só não resistiu a Revolução Industrial, a qual fomentava o  declínio das convenções e a ruptura com a tradição, transformou a arte, a religião, a filosofia, a arquitetura e a política, em mecanismos de imediatividade de saciedade, comercializando o tempo, como o mais elementar das mercadorias;

O homem moderno procurava uma nova linguagem que satisfizesse seus anseios, sem os excessos dos princípios estéticos e sem a praticidade da revolução industrial, apenas buscava o espaço, a cor, a iluminação e o movimento;

O cubismo trouxe toda essa complexidade de expressões, foi a revolução de sensibilidade nas artes plásticas, literatura, arquitetura, drama, política. Transformou  as  bases ideológicas da arte e do dinamismo físico,  deixando de ser reprodutiva, para ser criativa, influenciando toda arte  até os dias de hoje.